x

Clínica Berenstein: há 30 anos cuidando bem de você.

Clique aqui para ver fotos dos nossos espaços

Médicos criativos e pacientes ativos.

A Clínica Berenstein de Atendimento à Mulher, coordenada pelo ginecologista e feminólogo Dr. Eliezer Berenstein, dedica-se à saúde integral – física, psíquica, emocional, espiritual, existencial – da mulher e ao desenvolvimento de uma nova abordagem clínica – baseada em grande medida numa atuação criativa por parte dos médicos e numa participação ativa da paciente durante o seu processo de cura. Nossas bases de pensamento, portanto, vão além dos conceitos e práticas apreendidos formalmente na faculdade e se distanciam dos tradicionais modelos biomédicos.

O caminho da verdadeira cura

Há dois grandes grupos de doentes: o dos ativos, que de fato participam do seu tratamento, e o dos passivos, que se limitam a contar com a ajuda dos outros. Infelizmente, o segundo grupo é maior. E isso ocorre, é bem provável, porque as clínicas tradicionais de medicina transmitem aos doentes uma fé cega na autoridade médica e na alta tecnologia disponível – quando sabemos que, muitas vezes, o diálogo entre médico e paciente é mais importante do que aquilo que os laboratórios de diagnóstico e a indústria farmacêutica podem nos oferecer. Exigir que o doente, sem entender o sentido do seu tratamento e sem pedir qualquer esclarecimento, siga rigorosamente as instruções dadas pelo médico, torna-o não um paciente, mas sim um mero consumidor de fármacos, um simples objeto de exames. O profissional de saúde, nesses casos, age como um ditador que tudo sabe – e o paciente, por sua vez, vira um sujeito totalmente passivo e submisso a um tratamento que ele não compreende.

Mas a Clínica Berenstein acredita que o médico deve fazer com que o paciente entenda a sua doença, a sua saúde e o seu momento existencial. Esse é o caminho da verdadeira cura. E, às vezes, esse caminho é longo e difícil de ser trilhado, já que muitos doentes não se mostram interessados em estudar as causas e possíveis curas de sua doença – tornando-se corresponsáveis pelo tratamento. E assim, quando se encontram novamente por conta própria, caem – por ignorância ou comodidade – na velha rotina que afetou sua saúde. Sabemos, enfim, que a evolução de uma doença nunca é igual em todos os detalhes. Os diversos processos ocorrem no organismo com inúmeras variações. E, por isso, contamos com a participação ativa do doente no seu processo de cura – afinal, só ele pode sentir as sutilezas e particularidades de suas reações e sensações.

OBJETIVO
A busca da saúde feminina por meio do exercício da feminologia clínica.

MISSÃO
Desenvolvimento de uma nova abordagem clínica para a mulher por meio de uma equipe multi e transdisciplinar – sem abrir mão da alta tecnologia, mas tornando-a mais humanizada, com base em uma filosofia feminológica.